Liderança 101: Como a Liderança Mudou na Última Geração


Descubra como liderar de forma eficaz no mundo atual.

Académicos, e a população na sua generalidade, olham para a liderança de uma forma bastante diferente do que faziam na geração anterior. A liderança era vista como uma coisa simples e direta, feita segundo as regras, e que podia ser facilmente aprendida. Nos dias de hoje, a liderança é muito mais complicada.

Hoje em dia o nosso foco está no que chamamos de teorias de liderança de “contingência” ou “situacionais”. Estas eram consideradas teorias “topo de gama” em 1960 e 1970, que defendiam que os líderes tinham que adaptar o seu estilo pessoal de liderança às necessidades da situação. Por exemplo, de acordo com Fred Fiedler, líderes orientados para as tarefas tinham um melhor desempenho em situações extremas – situações muito fáceis ou muito difíceis. Líderes mais orientados para os colaboradores tinham um desempenho melhor em situações “intermédias”. O modelo de tomada de decisão da liderança mostrou aos gestores como deviam decidir, ou decidem sozinhos ou permitem a participação da equipa/departamento, através de uma análise cuidada das características específicas da decisão e da situação.

Estas teorias situacionais mecânicas dominaram o desenvolvimento e formação em liderança durante décadas. No entanto, nos últimos 20 anos, foi desenvolvida uma nova forma de pensar em liderança – uma abordagem que vê a liderança como extremamente complexa e muito mais focada nos liderados (os colaboradores).

Atualmente, as teorias de liderança mais populares são claramente a liderança transformacional e a LMX (Leader-Member Exchange). Ambas defendem que a liderança eficaz depende da capacidade do líder de envolver, dinamizar e desenvolver os seus seguidores. Para além disso, teorias de liderança partilhada estão a emergir. Na liderança partilhada, o poder da tomada de decisão e a responsabilidade de liderar uma equipa estão dispersos por vários colaboradores.

Assim, quais são os temas principais da “nova vaga” de abordagens à liderança:

  • 1. Um Foco Maior nos Colaboradores. Um líder de sucesso consegue envolver e motivar os seus liderados. O processo de tomada de decisão é partilhado, ou no mínimo consultivo, e os colaboradores estão habilitados para assumir responsabilidades e agir de forma independente. Na liderança transformacional, por exemplo, o objetivo do líder é o desenvolvimento da capacidade de liderança dos seus liderados – tornando eventualmente os colaboradores em líderes. Para além disso, líderes eficazes reconhecem os pontos fortes e as necessidades individuais dos liderados, de forma a permitir a cada um deles a maximização do seu potencial.
  • 2. Tomada de Decisões Descentralizada / Colaboradores Habilitados. Muitas vezes a velocidade de ação é crítica, por isso os colaboradores têm de estar habilitados a atuar sem orientação do líder. No mundo baseado em conhecimento onde vivemos hoje, um líder não pode querer liderar sozinho. Muito provavelmente, os colaboradores têm um conhecimento acumulado da equipa e dos objetivos da organização superior ao líder, por isso faz sentido partilhar a responsabilidade.
  • 3. Reconhecer a Complexidade da Liderança. O mundo cada vez mais internacional e interligado do século XXI, a tecnologia sempre em evolução, e o ambiente em constante mudança, significa que este mundo já não é o mesmo do dos nossos pais. A Gestão (de notar que hoje em dia lhe chamamos habitualmente de “Liderança”) era um processo simples, como sugerido pelas teorias de contingência – consistia simplesmente em analisar a situação e avançar. O mundo atual é extremamente complexo e requer todas as capacidades do líder, e a capacidade partilhada da equipa, para a empresa se manter eficaz e competitiva. Os líderes devem envolver os colaboradores, analisar situações complexas, delegar, controlar e motivar de forma constante. É um trabalho difícil, mas manter a competitividade requer esta nova forma de liderança.

17 de Março, 2010

Autor: Ronald E Riggio Ph.D.

Tradução: ProPeople